Quando seus hormônios falam mais alto

[ad#co-1]

Bom, eu estava comendo doritos enquanto me divertia assistindo Friends na Warner, quando lembrei que tenho que criar textos pra nerds gordos e sem vida social – Dica: Rima com ocês. Então apreciem mais uma situação inútil da minha ilustre vida.

Bom, vocês que são mais próximos devem saber que estive apaixonado, sabe, não era só apaixonado, era maluco. Era aquele tipo de coisa que você vê nas novelas do SBT, na Malhação. Meses depois viria a saber que ela sentia o mesmo, mas achava que eu não sentia, whatever. “O que eu tenho a ver com isso? Por que você está tentando colocar piadas idiotas nos seus posts?” – Você deve estar se perguntando. De fato, o ponto em que eu quero chegar é: Uma pessoa com quinze anos tem quantos neurônios operantes? Acho que 95,4% dos meus neurônios saíram para comprar cigarro e nunca mais voltaram. Um deles tem um blog chamado Kibe Loko.

Enfim, numa noite tediante, tive a brilhante idéia de pedir para uma amiga se passar por outra pessoa. Normal, você deve pensar. Mas essa outra pessoa era uma pseudo-ex do namorado dessa coleguinha, citada no parágrafo anterior. As merdas que partiram daí foram no mínimo cômicas.

Bom, minha colega ia me informando tudo via mensagens de texto. Acontece que, alguns dias depois, a menina veio aqui. Na casa de uma amiga. Papo vai, papo vem, ela seqüestrou meu celular, como todo mundo faz. E começou a ler às mensagens, me pergunto até hoje: Por que eu não deleto as minhas mensagens? e Por que eu não falo grego? Ela não ligou os pontos na hora, não, ela não é loira, eu é quem sou um ótimo advogado. Mas quando ela descobriu tudo, bom, vocês já devem saber o que aconteceu.

Meu professor de Português da sexta série sempre me obrigava a criar um parágrafo conclusão, mas como eu sou uma pessoa muito subversiva burra, vou descumprir (essa palavra existe?) a ordem do senhor incumbido de me ensinar a escrever. Acho que não vou me formar em letras ):

Anúncios

3 Respostas para “Quando seus hormônios falam mais alto

  1. sou eu, sou eu!

    que nada a ver, joan.

  2. Por que você não me impediu de fazer uma coisa tão idiota? :O

  3. Pingback: Bizzaro » Blog Archive » O dia em que o Enzo (quase) morreu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s