Resenha: Cellular – Um Grito de Socorro

[ad#co-1]

Hoje eu vi um filme, se é que essa tentativa frustrada de entrar para o Guines (?) como maior propaganda televisiva pode ser considerada um filme.

Cellular: Um Grito de Socorro, começa de uma forma bem idiota, eu não vi o começo, mas a julgar pelo resto do filme não há como classificá-lo de forma mais apropriada. É um filme idiota. Basicamente, uma mulher recém seqüestrada consegue consertar um telefone e ligar a um número aleatório. Ok, o fato dela ter consertado um telefone já mostra que ela é, no mínimo, uma descendente direta de McGyver. O fato dela ter ligado pra um número aleatório mostra que, quando pequena, ela bateu várias vezes com a cabeça na parede, na esperança de diminuir sua testa.

Bom, o mais impressionante de tudo é que, ao receber a ligação, o idiota acredita no que a mulher diz. É sério, em que tipo de mundo uma pessoa segue ordens de um estranho, pelo telefone, e sem receber ameaças. Se a mulher pelo menos tivesse ameaçado a mãe do rapaz, ou falado que estava com a filha dele. Mas não! Ele seguiu tudo, sem nem se perguntar se a pessoa atrás da linha não era uma criança com um celular pós-pago.

“Claro que acredito em você, ninguém passa esse
tipo de trote”

A partir daí o filme se transforma na maior e mais cara propagando que eu já vi. A Nokia fez questão de colocar sua marca em cada centímetro quadrado do filme. TODOS os celulares são da Nokia, não existe outras marcas nesse mundinho de Cellular. Lá todo mundo paga US$49 por um aplicativo Symbian, e é feliz com isso.

O protagonista sabe que não pode perder a ligação, pois ela não poderia ligar de novo. Como eu disse, não ví o começo. Mas o interessante é que esse babuíno que se diz ator conseguiu deixar o papel mais idiota do que já era, naturalmente falando. Cada tentativa de passar emoção era tão frustrante quanto assistir o vídeo da sua formatura do primeiro grau sóbrio.

O ponto alto do filme, quando o diretor se esforça pra dizer “Veja, essa história é plausível!”, é quando descobrimos que a família é seqüestrada após o marido filmar alguns policiais sendo corruptos. O pior é que ele passa, tipo, dez minutos filmando, não se esconde, não corre, não faz porra nenhuma. Não sei o que uma pessoa dessa espera. Que os polícias sorriam e façam pose pras fotos?

Whatever, o final é o mais idiota possível. Tudo dá certo graças a um police officer leal, que ajuda nosso pseudo herói a salvar a família. Os bandidos são mortos e/ou presos, e todos ficam felizes para sempre.

(Se você ainda não viu o filme, não leia o parágrafo acima. Não precisa agradecer (: )

Essa foi minha primeira tentativa de resenha, queria fazer algo bem ao estilo do Kid, acho que não ficou muito bom, mas eu não me importo, vocês não me pagam nada mesmo (:

[ad#co-1]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s