Detetive in Class

Esse jogo garantiu inúmeras horas de diversão na minha infância. Horas em que eu podia estar fazendo coisas menos nobres como vendendo drogas ou queimando coisas. Mas essa perda de tempo acabou de ser recompensada.

Continuar lendo

Anúncios

Formandos Malucos

Ahh… A formatura. O período mágico em que você estará com seus amigos e professores sem precisar estudar, só ficando atoa nos aposentos de um hotel. E – como é de costume – sem nenhum juízo.

Devo dizer que, como bom paulistano, não tenho muita habilidade em natação, minha resistência ao sol é (quase) nula e a última atividade física que eu havia praticado vinha diretamente do japão, com o codinome Wii Sports. Isso já me desqualifica totalmente como pessoa-que-se-arrisca.

Continuar lendo

Invenções

O ser humano vive de invenções. Inventam coisas idiotas, verdade, mas também criam coisas sem as quais seria impossível viver sem. Veja você, até pouco tempo atrás, uma das únicas coisas que nos diferenciavam dos animais era o uso da privada. Rústica. Muito progresso foi necessário pra chegarmos ao ponto de evolução de hoje.

Comecei a me perguntar sobre as grande invenções, aquelas que nós não conseguiríamos viver sem. Tudo isso girava na minha mente enquanto eu fazia minhas necessidades, pra você ter uma idéia da minha insanidade.

Elaborei uma pequena lista das maiores invenções. Na verdade vou elaborar, já que escrevi essa introdução primeiro. Mas você captou a idéia.

5. Papel Higiênico

Papel Higiênico é uma grande invenção, quer dizer, se você, como todas as outras pessoas do mundo, acha a idéia de limpar sua bunda com sabugo de milho repulsiva.

Essa invenção é atribuída a duas pessoas, e junta-se ao grupo dos inventores controversos, como a Homeopatia e a Coca Cola Diet.

4. Pipoca de Microondas

Antigamente (e quando eu digo antigamente, pense na sua avó) era muito raro ver uma casa com pipoca. Era extremamente difícil preparar um pouco deste delicioso e nutritivo quitute. Era uma exclusividade dos cinemas, afinal, quem vai no cinema quer pipoca.

É obvio que inventei o parágrafo acima, não encontrei uma só referência sobre pipoca de microondas no Google (Pelo menos nas três primeiras colocação colocações), mas encontre uma coisa realmente terrível.

“Pipoca de microondas pode causar câncer de pulmão”, e eu me pergunto: Como?

3. Camisinha

Quem já teve aula de história com um professor totalmente caduco, (Eu tive, por quase seis meses), deve saber o quão estúpido é migrar de assuntos a cada oito minutos. Então, enquanto falávamos sobre o Papel do Estado no não-sei-o-que, meu professor soltou uma pérola.

Ele começou a contar a história da camisinha. Não como um professor, mas sim como uma garota altamente-prostituída contaria. Camisinhas, na antiguidade, eram feitas de tripa de cordeiro. Imaginou? Pois é. E quem jogar Fable 2 terá essa pequena experiência bizarra, foi confirmado pelos produtores do jogo, o item ‘camisinha’ será adicionado.

Vocês, supondo que vocês tenham uma vida sexual ativa, não tem a menor idéia das facilidades dos dias de hoje.

2. Separação de Tarefas

Se antigamente um artesão fazia todo o processo de fabricação de um vaso, hoje ele só faz um duzentos e quarenta avos do produto. E sabe no que isso implica? Maior produção.

Pode me chamar do que quiser, estou defendendo o capitalismo sim, ou você acha, seu pseudo comunista, que estaríamos desfrutando das maravilhas da internerd, ou dos vídeo-games modernos (Xbox 360 e PS3) num mundo socialista?

1. Privada

A privada é uma das únicas coisas que ainda nos separam dos primatas
(Algumas outras incluem: o fogo, os computadores, a internet, o serviço militar, os automóveis e o aparador de unha), e se você consegue se imaginar cagando no mato (Há), você é uma especie pouco evoluída.

Foi necessário muito estudo para chegarmos nos vasos sanitários de hoje, o funcionamento, segundo a Wikipedia, é muito simples. o vaso mantém uma quantidade de água; logo atrás, o cano do vaso sanitário que leva os dejetos faz uma curva para cima e outra para baixo – um sifão – e que, somente depois, vai para o esgoto; nessa curva, uma quantidade de água fica acumulada e, quando a descarga é acionada, uma quantidade de água é liberada. Bom, não me parece simples.

O termo “descarga” foi criado por um inglês chamado John Harington, o que mostra sua alegra contribuição, que eleva a categoria dos imortais, junto a Paulo Coelho e Jorge Amado.

Pra finalizar, na Roma Antiga, não existia cabines individuais, eram vários bancos um ao lado do outro, como na figura abaixo. Ou seja, se você tinha um pirulito pequeno, todos saberiam, uma hora ou outra. Sorte a sua estar vivendo tantos anos depois, não?

Banheiro Roma

======

Odeio este tipo de post, requer pesquisa e eu sei que vocês, seus imprestáveis, não vão ler, só vão ficar olhando as imagens.

Prometendo

Não faz muito tempo, minha ex-“namorada” postou em seu blog (sem link, você é má) um texto sobre promessas, me cutucando constantemente. Entre milhões de linhas de pura melação ela comentava que nós não devíamos prometer coisas que não podemos cumprir. Bom, ela teria razão, mas seus argumentos eram tão fracos que me fizeram rir enquanto tirava print daquela baboseira.

Prometer é muito fácil, eu diria. Eu prometi que levaria vários blogs pra frente, prometi posts diários no Baka no Hon, prometi que o faria rir, coisa que eu não cumpro dês da piada sobre o Juvenal Juvêncio. Enfim.

Mas quando você promete algo com pessoas testemunhando, e com as maravilhas da internet dois ponto zero por ai, você é moralmente obrigado a cumprir.

O Enzo, citado diversas vezes neste blog, não parece saber disso. Enquanto conversávamos sobre meninas do Marcos, o menino soltou a seguinte pérola:

clique para ampliar

Bom, não sei vocês, mas se ele não cumprir, espalharei que ele é impotente. Que venha o final do ano!

Proporção

Todo mundo aprende sobre proporção um dia, seja da maneira fácil ou da difícil. E quando eu digo fácil quero dizer “junto a professora do primário” e quando eu digo difícil… Bom, esses você vão ter que ler um pouco mais de quatro palavras.

Hoje, durante uma das últimas aulas do período infeliz que passamos na escola, presenciei a maior lição de proporção que podia ter acontecido, aprendi uma coisa muito mais valiosa do que a construção de parábolas, ou da lição de cráse na sétima serie. Aprendi que brigas são coisas perigosas.

Não aconteceu comigo, digo aliviado, a única coisa que podia ser pior e descobrir, no último dia de acampamento, que seu cachorro morreu. E envenenado. Pelo seu melhor amigo. Isso. Aconteceu com o Enzo, o Enzo tem atributos bastante avantajados, como você leitor do SdL – como se houvesse algum – deve saber, e com o Pedro, um outro garoto da minha sala, prefiro não comentar sobre a personalidade do Pedro, afinal, amanhã ele terá o dia todo livre pra ficar na internerd, e pode acabar caindo aqui.

Então, enquanto “fazíamos” exercícios de parábolas (Repare às aspas em fazíamos) o Pedro resolveu implicar com um garoto. Que foi prontamente defendido pelo Enzo. Os eventos que se seguiram serão lembrados como os mais felizes, junto com o dia em que me formei, o dia que comprei meu primeiro carro e o dia em que o Enzo quase morreu.

Os dois mongóis começaram a se empurrar, fraco, a principio. Então, ao se enraivecer, Enzo deu um empurrão mais forte. Pedro, rapidamente retribuiu a gentileza com um soco na cara, os eventos que se seguiram parecem muito com isso:

O Enzo surtou. Totalmente. Partiu pra cima do menino e, sem pestanejar, deu vários socos pra todos os lados, acertando, inclusive, a professora Nara, que provavelmente lerá isso, então, oi (:

Durante aquele momento de descontrole, minha amiga Thaís gritou constantemente pra EU separar a briga. EU! Um menino magrelo de um e setenta com cinqüenta quilos. Ao desistir de me convencer a cometer suicídio, a menina se volta ao Marcos, bom, prefiro não comentar sobre o Marcão. Mas ele é quase tão (ou mais) fraco que eu.

Resultado: Dois suspensos, um com a boca sangrando, o outro com a cara roxa. E eu feliz, de ter presenciado a cena mais feliz da minha vida. Isso que eu ganho por cumprir penitência!

Joguinhos: Revolution X

Eu adoro meus amigos. Adoro mesmo. Mas nunca, jamais, peça idéias de posts pra eles. Falando sério você pode se arrepender.

Aconteceu de verdade, estava precisando de idéias pra um post, digno do SdL, mas que não exigisse muito do meu intelecto. Então falei com o Brian. Ele, nerd que é, me sugeriu fazer uma resenha de um jogo de Super Nintendo, o nome era Revolution X. Aqui começa minha saga.

Continuar lendo

Espalhando boatos

Ainda me lembro dos meus curtos dias de estudante do Colégio Equipe, dias estes que, quem me conhece, sabe que foram desastrosos. Mas se tem uma coisa que eu aprendi como Equipano, que não aprenderia em lugar algum, essa coisa é espalhar boatos.

Não me lembro nem o dia, muito menos o nível de concentração na aula que eu tinha naquele momento, (fontes seguras revelam que a concentração era nula), só lembro que, ao avistar minha colega Isadora, colega no sentido real, já que nunca troquei mais de duas palavras com ela, decidi que aquele dia era seu aniversário.

O primeiro a entrar na jogada foi o Octávio, um garoto que costuma conversar comigo sobre coisas idiotas, alias, Octávio, se você ler isso, você me deve dois reais, desgraçado. Enfim, eu contei pra ele sobre o aniversário, disse que era segredo, sempre fui muito hábil com as palavras, ou ele era burro. Não sei direito.

Em poucos minutos a sala toda sabia do aniversário. Ninguém, veja você, se preocupou em checar com a garota, que só pode esclarecer depois do segundo ‘parabéns à você’ entoado pela classe.

O fato de estar ressuscitando um fato tão antigo tem um proposito. Mas poderia não ter, afinal, o blog é meu e você não me paga nada pelo esforço quase homérico de buscar textos no fundo do meu hipocampo, com o objetivo de te entreter. Bom, o motivo é, repeti a experiência, de uma forma mais desorganizada e incerta, esses dias.

Resolvi que era um bom dia para ser aniversário de alguém, não me lembro quem… Ah! A Naty. Era aniversário da Naty.

Fiquei exatamente dez minutos tentando espalhar esse boato, tentando a todo custo usar palavras grandes, assim as pessoa achariam que sou esperto, e não duvidariam. Engano. Ninguém, e quando eu digo ninguém, isso inclui o Enzo E o Marcos, acreditou.

Agora responda:

    a) Ninguém acreditou pois você perdeu seus poderes manipulativos (rizada maléfica aqui)
    b)
    Ninguém acreditou porque os alunos de sua nova/velha escola são mais inteligentes.
    c)
    NDA. Explique nos comentários.